Vereadora de Camboriú é denunciada pelo MP por enriquecimento ilícito e improbidade administrativa

Ministério público processo a vereadora de Camboriú por enriquecimento ilícito e  probabilidade administrativa 

Segundo o jornalista Paulo Roberto Silva, a  vereadora do MDB, Andreia de Souza Machado, também conhecida com Andreia do Pedro Paulo do partido do prefeito Elcio R. Kunhen foi processada por improbidade administrativa enriquecimento ilícito causando prejuízo ao patrimônio público da cidade de Camboriú.

A vereadora Andréia de Souza que foi a mais votada na cidade na última eleição, foi denunciada ao Ministério Público de Camboriú que aceitou a denúncia por improbidade administrativa quando ela era secretária de Assistência Social no município no ano de 2018.

“Andreia do Pedro Paulo também foi denunciada na último pleito eleitoral por compra de voto, porém até agora não perdeu mandato e segue as atividades como vereadora da cidade, como se nada tivesse acontecido.”

Andréia e outra servidora pública identificada como Sônia Regina de Oliveira usaram um veículo da Secretaria de Assistência Social em horário de expediente para irem por duas vezes em uma clínica de estética em Balneário Camboriú.

Veja também 👇

Vereador denuncia Secretária do Governo Élcio por usar carro oficial para assuntos particulares

Curiosidade: O vereador que denunciou na época, não se elegeu ( ele não usou a máquina pública), nas últimas eleições, porém a então secretária, que teria usado o carro para assuntos particulares, foi a mais votada para vereador de Camboriú, demonstrando o perfil dos eleitores de Camboriú.

Ministério público

O MP pede inclusive cópias das folhas ponto das duas servidoras nos dias 13/04/18 e 17/04/18 e também pede as folhas de pagamentos dos salários das mesmas na época.

O MP diz ainda que Andréia enriqueceu ilicitamente usando o poder público em seu benefício próprio, violando os princípios da administração, praticando improbidade administrativa.

A lei é clara, Art. 312 – Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio ou alheio: Pena – reclusão, de dois a doze anos, e multa.
Dentre as penalidades pelos atos de improbidade administrativa, estão a perda da função pública, bloqueio de bens e valores, pagamento de multas e outros.

Será que a vereadora irá sofrer um processo interno na Câmera de Vereadores e perder o mandato ou o caso vai virar pizza? 

Caso Andreia perda o mandado, Alexandre Xexa do mesmo partido e primeiro suplente do partido herdaria a vaga de vereador eleito.

Vamos acompanhar o caso.

Fonte: Repórter Paulo Roberto

PUBLICIDADE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *