Surfista fica ferido após sofrer ataque de tubarão em Navegantes

Mordida de animal marinho em Navegantes

Por volta de 8h da manhã deste domingo, os Bombeiros Militares de Navegantes foram acionados para atenderem a ocorrência de ataque de tubarão em uma praia da cidade. Quando os bombeiros chegaram ao local, o homem já havia sido atendido pelos Guarda Vidas, com o estancamento de sangue já efetuado. O homem foi conduzido ao hospital de Navegantes com sinais vitais estáveis e consciente.

A vítima relatou em suas redes sociais que possivelmente tenha sido um cação. Já os Bombeiros Militares ressaltam que foi uma ocorrência pontual e que não há registro desse tipo de atendimento na cidade de Navegantes. No litoral de Santa Catarina existem algumas espécies comuns, como cação, tubarão-anjo e tubarão-mangona, porém, neste caso, não é possível afirmar de qual animal marinho se trata.

No dia de hoje, 24 de janeiro de 2021, recebemos uma séria de contatos da imprensa a respeito de um “ ataque” de animal marinho a um surfista na praia de Navegantes. Pois bem, analisando a foto divulgada se observa claramente pequenas lesões perfuro-cortantes e corto-contundentes na lateral externa do pé esquerdo do lesionado. Observa-se também que houve lesões tanto na porção superior quanto inferior do pé, o que caracteriza uma mordida.

A lesão na porção inferior se estendeu, o que ocasionou um corte mais longo e mais profundo que os demais. O corte paralelo, associado aos pequenos furos na porção superior são típicos de dentes alongados cônicos e não triangulares e chatos como na maioria dos tubarões. O tipo de mordida no estilo “bote” também é característico deste tipo de lesão, corroborando com Moyer, Shannon e Irschick (2019) (https://doi.org/10.1111/jfb.14086) e muito semelhante ao já registrado em Santa Catarina, quando um banhista foi mordido na cabeça.

Desta forma a única foto que chegou até mim, reúne todas as características de uma “mordidela” desferida por um tubarão mangona (Carcharias taurus), ressaltando que este animal costuma se alimentar de peixes de pequeno e médio tamanho, preferencialmente entre 15 e 30cm, capturando-os com um rápido bote, desferido com grande rapidez e propiciado pela grande capacidade que esta espécie tem de projetar as maxilas. Exemplares desta espécie podem ser observados no Oceanic Aquarium em Balneário Camboriú e eram bastante comuns em nossas praias no passado, quando nadavam há cerca de 1-2 metros de profundidade, principalmente à noite. Foram praticamente dizimados, havendo agora um resquício da população que tiveram até a década de 1970, não chegando atualmente a 2,8% de sua população original.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *