Retorno das aulas presenciais em Camboriú está previsto para o dia 18 de fevereiro

O ano letivo presencial começa agora em Fevereiro em Santa Catarina. Na rede estadual, o calendário inicia no dia 18 de fevereiro. Já na rede municipal vai depender da escolha de cada prefeitura. Em Camboriú  a volta dos alunos está marcada para o 18 de fevereiro.

PELO ESTADO

No dia 8 de fevereiro, escolas e creches municipais de várias cidades acolherão milhares de crianças e adolescentes, privados do ambiente escolar no último ano. As escolas vão ter que organizar um rodízio entre as turmas, para não gerar aglomerações. A União dos Dirigentes Municipais (Undime) tem uma sugestão para essa alternância.

“Essa alternância de grupo conforme a legislação seja de segunda a sexta. Por quê? Para que não tenha todos os dias um rodízio de alunos e estudantes na educação infantil”, afirmou a presidente da Undime, Patrícia Lueders.

Os responsáveis pelas gestões de cada municípios vão escolher se as crianças voltam, ou não, para a sala de aula. Se acharem mais seguro, elas continuam com as atividades remotas.

CAMBORIÚ

Aulas presenciais de Camboriú já tem data para retornar

A Secretaria de Educação de Camboriú informa que já tem data para iniciar o ano letivo do ano de 2021 nas unidades escolares da rede municipal de ensino. O retorno dos professores para as unidades escolares está previsto para o dia 8 de fevereiro, onde haverá a preparação das unidades e adequação dos Planos de Contingência (Plancons Edu) que estão em fase final de análise. Já o retorno das aulas presenciais está previsto para o dia 18 de fevereiro e seguirá todos os protocolos de segurança em saúde. O formato e detalhes da retomada está sendo debatido e alinhado com os representantes das secretarias de Educação de toda região.

“É com muita alegria que podemos dizer que estamos prontos para receber os professores e alunos novamente nas unidades escolares. Devido à pandemia e distanciamento social, 2020 foi um ano totalmente atípico para a educação, que teve que se reinventar para conseguir levar os conteúdos até os alunos. Porém, aproveitando o momento em que as aulas estavam acontecendo de forma virtual, ampliamos os investimentos nas melhorias estruturais das  unidades escolares, por isso, acredito que todos irão se surpreender positivamente ao retornarem nas escolas”, comenta a secretária de Educação interina, Tathiana Foresti.

Regras

Mutas escolas já se prepararam para a volta com menos carteiras nas salas, demarcações de espaço e disponibilização de álcool em gel. Os alunos precisam usar máscara e manter o convívio seguro.

Em 8 de dezembro, o governador sancionou o projeto de lei que considera as aulas presenciais na educação como atividade essencial durante a pandemia da Covid-19.

Na prática, mesmo que a região esteja em nível gravíssimo para a doença as aulas vão ocorrer, só que com 50% das matrículas ativas por turno, de acordo com o mais recente decreto sobre o assunto, publicado em 14 de dezembro. Para as classificações grave, alto e moderado, não há restrições.

Confira abaixo as principais regras para a volta às aulas presenciais:

cada unidade de ensino da rede pública e privada deve definir os critérios para alternar os grupos de estudantes dentro das unidades de ensino para que seja mantido distanciamento de 1,5 metro em todos ambientes;

nas áreas classificadas como em risco gravíssimo para a Covid-19, as atividades presenciais nas escolas ficam limitadas a até 50% das matrículas ativas por turno. Para as classificações grave, alto e moderado, não há restrições;

após o resultado da divulgação do mapa de risco, as escolas têm até dois dias para fazer as adequações necessárias;

estudantes e servidores que se enquadram nos grupos de risco para a Covid-19 devem ser mantidos em atividades remotas;

o responsável legal pelo estudante pode optar pelas atividades remotas quando a instituição oferecer essa opção. Para isso, deve assinar um termo de responsabilidade junto à escola;

as bibliotecas devem ter restrição de 50% de ocupação em regiões de risco gravíssimo, 75% em risco grave e nenhum limite para os riscos alto e moderado, desde que respeitado o distanciamento de 1,5 metro;

cada município e cada escola deve elaborar o próprio Plano de Contingência Escolar para a Covid-19. Esse documento precisa ser aprovado no Comitê Municipal de Gerenciamento da Pandemia de Covid-19 para que a unidade seja autorizada a ter atividades presenciais;

no Plano de Contingência Escolar, deve estar prevista a possibilidade de a região chegar ao nível gravíssimo e como a unidade vai se organizar neste caso;

em caso de surto de Covid-19 na escola, a instituição deve informar as autoridades de Vigilância Epidemiológica e Sanitária;

o retorno às atividades escolares presenciais obedecerá obrigatoriamente a todos os regramentos estabelecidos pela Secretaria de Estado da Saúde e por atos de autoridade sanitária e educacional federal, estadual ou municipal.

Por G1 e Prefeitura de Camboriú

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *