Homem encontrado morto na semana passada em hotel de Balneário Camboriú é acusado de dar golpe de R$ 30 milhões com pirâmide de bitcoin 

Homem encontrado morto na semana passada em hotel de Balneário Camboriú é acusado de dar golpe de R$ 30 milhões com pirâmide de bitcoin

Corpo estava em quarto de hotel Mar Hotel da rua 701 no centro  da cidade de Balneário Camboriú. O Portal O Janelão, foi o primeiro canal de comunicação a noticiar o óbito.

https://www.facebook.com/ojanelao/videos/442814367051687/

MORTE NO MAR HOTEL

O empresário Thiago Troncoso, acusado de dar um golpe de R$ 30 milhões com uma suposta pirâmide financeira associada ao bitcoin, foi encontrado morto na manhã da quarta-feira (3) em um quarto do MAR HOTEL em Balneário Camboriú,

Segundo o boletim de ocorrência, ao qual o Portal do Bitcoin teve acesso, a polícia registrou o caso como suicídio. A esposa de Troncoso, que estava com ele no hotel, descobriu o corpo do empresário no banheiro. Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU), Polícia Militar (PM), Polícia Civil (PC) e Instituto Geral de Perícias (IGP) atenderam a ocorrência.

Troncoso vendia supostos pacotes de investimentos atrelados a criptomoedas por meio de um esquema chamado ‘Projeto Rota 33’, fundada por ele e mais quatro sócios em Cadantuva, no interior de São Paulo, no início de 2019. O projeto, no início, funcionava em uma sala da faculdade UniFroebel, que pertencia a ele.

Aos clientes, Troncoso prometia pagar juros de 20% em cima do capital aportado. Ele dizia utilizar um suposto robô de arbitragem para potencializar os ganhos. Outros esquemas parecidos, como Atlas Quantum e Binary Bit, afirmavam ter ferramenta semelhante.

No final do mesmo ano, ela parou de pagar os investidores. Na época, o advogado Ricardo Sting, que representava Troncoso, disse em vídeo que o ‘Projeto Rota 33’ havia deixado de honrar os pagamentos porque o negócio teria sido vítima de uma suposta fraude cometida pelos sócios do empresário.

A fraude nunca foi confirmada. A reportagem contatou Sting por meio de um aplicativo de mensagens, mas ele não respondeu até o fechamento deste texto.

O empresário, seus sócios e a empresa não tinham autorização da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para oferecer contratos de investimentos coletivo (CIC). A autarquia havia aberto um processo administrativo para investigar o caso.

700 vítimas

Só no Tribunal de Justiça de São Paulo, conforme consulta feita pelo Portal do Bitcoin, Troncoso responde a pouco mais de 100 processos judiciais. Em diversas ações, os juízes já determinaram o bloqueio das contas bancárias dele, mas nenhum valor foi encontrado.

A estimativa é que o empresário tenha deixado um prejuízo de R$ 30 milhões para 700 pessoas. Uma delas foi o cirurgião dentista Raphael Zupirolli, morador de Catanduva. Ele investiu R$ 157,5 mil em junho e 2019, com a promessa de receber 20% ao mês em cima do valor ao longo de dois anos.

“Recebi apenas três parcelas, que somaram R$ 63 mil. Mas outras pessoas da cidade tiveram perdas ainda mais consideráveis”, falou Zupirolli.

Por causa da morte de Troncoso, os processos das vítimas serão direcionados para os sócios dele, principalmente o advogado Fabricio Assad, segundo advogados e vítimas consultadas pela reportagem.

Assad é conhecido em Catanduva e, segundo as fontes, teria atraído boa parte dos moradores da cidade para o suposto esquema fraudulento. A reportagem não conseguiu localizar Assad ou sua defesa.

Credito: Lucas Gabriel Marins do Portal Bitcoins.
Thiago Troncoso. (Foto:Reprodução/YouTube)


Thiago Troncoso.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *