Cristiano Ronaldo causa prejuízo de R$ 20 bi à Coca-Cola com gesto antes de entrevista da Eurocopa

Cristiano Ronaldo causa prejuízo de R$ 20 bi à Coca-Cola com gesto antes de entrevista. 

O total de patrimônio da empresa na Europa passou de 242 bilhões de dólares a 238 bilhões de dólares com a ação do craque da seleção portuguesa.

 

Por Jovem Pan

Reprodução/Twitter/@Portugal

Cristiano Ronaldo provocou um enorme prejuízo à Coca-Cola com um gesto feito antes da entrevista coletiva concedida na última segunda-feira, 14, na véspera da estreia de Portugal na Eurocopa – a seleção portuguesa encara a Hungria a partir das 13 horas (de Brasília) de hoje, em confronto válido pelo Grupo F. Ao entrar na sala de imprensa, o atacante retirou duas garrafas do refrigerante da sua frente e pediu para que as pessoas bebessem água ao invés dos produtos da empresa estadunidense, que patrocina o campeonato organizado pela Uefa. Como consequência, a Coca-Cola viu as suas ações na bolsa de valores e o seu próprio preço despencarem.

”, antes de Cristiano Ronaldo realizar o polêmico gesto, cada ação da Coca-Cola valia 56,10 dólares. Após a entrevista do craque português, a ação caiu para 52,22 dólares, registrando uma queda impressionante de 1,6% no total do valor da companhia na Bolsa europeia. Além disso, o total de patrimônio da empresa na Europa passou de 242 bilhões de dólares a 238 bilhões de dólares, uma perda de 4 bilhões de dólares (cerca de R$ 20 bilhões, na cotação atual) com a atitude da estrela da Juventus.

JANELÃO
“Grandes novidades para o segundo semestre de 2021, aguardem…..”

Vale lembrar que, em dezembro do ano passado, Cristiano Ronaldo “cornetou” o filho mais velho, Cristiano Junior, por beber refrigerante e comer batatas fritas. “Vamos ver se vai ser grande jogador. Ainda não é. Ele às vezes bebe refrigerante e come batatas fritas, e sabe que eu fico irritado. Digo a ele às vezes que depois da esteira deve mergulhar em água fria, para recuperar, e ele diz ‘Pai, mas está tão frio…’. É normal, tem 10 anos”, disse na época.

Por Jovem Pan e UOL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *