Cidades de Santa Catarina registam manifestações contra projeto de lei de abuso de autoridade

Os protestos ocorrem em pelo menos três cidades: Florianópolis, Blumenau e Balneário Camboriú, no Litoral catarinense.

Manifestantes foram às ruas em Santa Catarina, na tarde deste domingo (25), para protestar contra o projeto de lei de abuso de autoridade, que foi aprovado pelo Congresso e aguarda sanção de Jair Bolsonaro (PSL). Também demonstraram apoio Lava Jato e ao presidente. Os atos convocados pelo movimento Vem pra Rua foram registrados em pelo menos três cidades: Florianópolis, Blumenau, no Vale do Itajaí e Balneário Camboriú, no Litoral catarinense.

Publicidade

Florianópolis

Em Florianópolis, os manifestantes se concentraram na avenida Beira-mar Norte, às 16h, e depois saíram em caminhada para a sede da Polícia Federal (PF).

Com um trânsito mais intenso do que o normal para um domingo, em função da concentração de pessoas na cidade por causa da Maratona Internacional realizada durante a manhã, a Polícia Militar decidiu que a caminhada até a PF seria feira pela marginal. Assim as pistas principais da Beira-mar Norte ficam liberadas para os carros.

Blumenau

Em Blumenau, às 15h, os manifestantes se concentraram em frente a prefeitura. Também usaram cartazes para protestar contra o projeto de abuso de autoridade e a favor do projeto com medidas contra a corrupção.

Balneário Camboriú

Com faixas e cartazes, os manifestantes se concentraram na Praça Almirante Tamandaré, no Centro da Balneário Camboriú. Não houve caminhada nas ruas da cidade.

Além de apoiar a Lava Jato, se manifestam favorável ao ministro da Justiça, Sérgio Moro, o impeachment do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli e a “limpeza geral” no STF.

Abuso de autoridade

O projeto de lei sobre abuso de autoridade foi aprovado pelo Congresso Nacional em 14 de agosto. O texto define cerca de 30 situações que configuram o crime de abuso de autoridade, como:

Obter provas por meio ilícito,
Decidir por prisão sem amparo legal;
Decretar condução coercitiva sem antes intimar a pessoa a comparecer ao juízo;

Obter prova em procedimento de investigação por meio ilícito;
Pedir a instauração de investigação contra pessoa mesmo sem indícios de prática de crime;

Divulgar gravação sem relação com as provas que se pretende produzir em investigação, expondo a intimidade dos investigados;

Decretar a condução coercitiva de testemunha ou investigado de forma manifestamente descabida ou sem prévia intimação de comparecimento ao juízo.

Via jornalismo Nova FM de Indaial.

Vem aí um ‘JANELÃO’ cada vez melhor!! WhatsApp ‘996216941’

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *