Camboriú é a 5ª cidade catarinense em número de homicídios dolosos no primeiro bimestre de 2018

Cidade de 80 mil habitantes empata com São José, Itajaí e Palhoça que possuem pelo menos o dobro do número de moradores. Violência crescente motiva realização de audiência pública.

Camboriú é a décima quinta cidade de Santa Catarina com o maior número de habitantes, cerca de 80 mil. Mas, no ranking dos homicídios dolosos, a cidade aparece em quinto lugar, superando municípios como Criciúma com quase o triplo de habitantes e empatando com São José Itajaí e Palhoça. Os dados são da Secretaria de Estado da Segurança Pública de Santa Catarina e se referem aos dois primeiros meses de 2018.

O levantamento feito pela vereadora Jane Stefenn (REDE) motivou o requerimento em regime de urgência para realização de uma audiência pública na Câmara de Vereadores com integrantes das polícias Civil e Militar, Corpo de Bombeiros, Ministério Público, OAB Camboriú, Poder Judiciário da comarca local, Conselho Tutelar da cidade, Conselho Comunitário Municipal de Segurança e Prefeitura de Camboriú.

“Esses são os números apenas do primeiro bimestre. Mas já sabemos que Camboriú registrou até 23 de abril nove assassinatos no município, número 50% maior que em 2017. Já imploramos ao governo do estado aumento do efetivo e não conseguimos, agora precisamos unir todos os setores para encontrar saídas urgentes que estanquem o vertiginoso crescimento da violência na cidade”, afirmou a vereadora.

Segundo Jane, o objetivo é que a audiência pública aconteça já na primeira quinzena de maio no plenário da Câmara Municipal.

*Números da violência* – De acordo com os números divulgados pela Secretaria da Segurança Pública de Santa Catarina, Camboriú registrou dois homicídios em janeiro e outros três em fevereiro, fechando o bimestre com cinco assassinatos.

A cidade só perde em número de homicídios dolosos para Florianópolis (25), Joinville (19), Blumenau (9) e Chapecó (6). Na quinta posição, está empatada com a vizinha Itajaí, que possui o triplo de habitantes de Camboriú, também registrou cinco assassinatos no primeiro bimestre de 2018, assim como São José (a quarta maior cidade catarinense) e Palhoça (a 9ª maior).

Camboriú fica a frente em número de homicídios dolosos de cidades maiores como Criciúma (4), Balneário Camboriú (3), Jaraguá do Sul (1) e Lages (1). Brusque, Tubarão e São Bento que também possuem maior número de habitantes do que a capital da pedra, foram as únicas três cidades, de acordo com os dados da Secretaria de Estado da Segurança que não registraram nenhum homicídio no primeiro bimestre de 2018.

*Camboriú tem aumento de 50% no número de assassinatos em comparação com 2017.

Números extraoficiais, de um levantamento feito a partir de matérias publicadas na imprensa e de declarações da Polícia Militar, mostram que Camboriú já havia registrado até o dia 23 de abril nove homicídios dolosos na cidade. O número é 50% maior que o registrado no ano passado, de acordo com os dados da Secretaria da Segurança Pública de Santa Catarina que mostram 6 assassinatos no primeiro quadrimestre na cidade. O número de 2018, já representa um terço dos 27 homicídios dolosos registrado em todo o ano passado em Camboriú.

Mapa dos crimes – Quatro dos nove homicídios registrados esse ano em Camboriú aconteceram na região do Distrito do Monte Alegre. Todos por arma de fogo, com vítimas homens, entre 18 e 20 anos, maioria com várias passagens pela polícia. No bairro Areias, foram dois registros, uma das vítimas um adolescente de 17 anos com 23 passagens pela polícia, foi morto a tiros e enterrado em um terreno baldio na Rua Goiás. No Jardim Paraíso, região do Cedro, foram registrados outros dois assassinatos, também por arma de fogo com vítimas com antecedentes criminais.

Polícia Militar aperta o cerco no Monte Alegre 

O capitão Thiago Ghilardi, comandante da 1ª Cia da Polícia Militar, informou que a corporação está apertando o cerco no Distrito do Monte Alegre para tentar conter o crescente número de homicídios. Com informações levantadas pela Inteligência da PM, eles estão mapeando bares e outros locais no Distrito, além de identificar pessoas e veículos que serão abordados em operações específicas.

“Depois dos Gideões, vamos apresentar os dados para embasar a necessidade de um maior efetivo para Camboriú e para que possamos fazer operações de reforço no Distrito e em locais que consideramos essenciais”, explicou Ghilardi.

Há cerca de quinze dias, a PM realizou no Monte Alegre a Operação Cérbero que culminou no fechamento do bar onde o oitavo assassinato foi cometido.

“Esse bar continuava aberto e funcionando sem alvará, sem qualquer documentação”, disse. O comandante e outros representantes da Polícia Militar serão convidados para a audiência pública sobre segurança que deverá acontecer na primeira quinzena de maio.

Por Melissa Bergonsi

publicidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *