Brasil garante medalha no surf: Ítalo e Medina estão nas semifinais em Tóquio

Ítalo vence e se junta a Medina na semi; Brasil já garante medalha no surfe
Ítalo Ferreira venceu sua bateria nas quartas de final das Olimpíadas.

Gabriel Medina e Ítalo Ferreira estão classificados para as semifinais do surfe masculino nas Olimpíadas de Tóquio. O bicampeão mundial venceu o francês Michel Bourez, enquanto o atual campeão do mundo bateu o japonês Hiroto Ohhara em sua bateria.

Os quatro semifinalistas de Tóquio pertencem à elite atual do Mundial de Surfe. Gabriel Medina enfrentará o japonês Kanoa Igarashi, atual sexto colocado do ranking, às 23h48 (de Brasília) desta segunda-feira (26), enquanto Ítalo Ferreira terá o experiente Owen Wright (20º), da Austrália, pela frente, logo na sequência, às 00h24. “É bateria de WCT. Estou acostumado. Vamos nessa”, disse Medina em entrevista ao canal SporTV.

 

 

Yasmin brilha como ‘comentarista’ de Medina em live para 45 mil pessoas
Como Medina e Ítalo na semi, o Brasil já tem garantida no mínimo a medalha de bronze. Eles podem se enfrentar na final (o que garante o ouro e a prata), na disputa do terceiro lugar (o que garante o bronze), ou, se um deles cair na semi e o outro avançar para a final, o Brasil terá ao menos a prata garantida.

“Eu não quero bronze, quero ouro, estou aqui para ganhar”, disse Ítalo Ferreira após a prova. “Tem muita oportunidade lá dentro, entrei bastante confiante, e fui construindo onda a onda e isso me deixa confiante. Tem duas baterias pela frente e é continuar na pegada e ir pra cima”, acrescentou.

Medina também promete dar trabalho na sequência da competição. “É um sonho. Esse era meu objetivo quando vim para cá, estar na final, e, se Deus quiser, conquistar o ouro. Está chegando perto, é ficar concentrado porque toda bateria é difícil”, disse Medina.

Medina passa por Michel Bourez

Gabriel Medina somou 15,33 pontos em sua bateria de quartas, contra 13,66 do francês Michel Bourez. O dia começou com chuva e muito vento, mas ondas com mais de dois metros para os surfistas.

“A gente veio pra cá achando que ia ser marola e tem altas ondas, tá grande, e isso é bom porque dá pra arriscar. Estamos felizes de ter onda. Agora é continuar nessa vibe que vai dar tudo certo”, disse Medina.

Ítalo vence surfista local

Na bateria nas quartas, Ítalo somou 16,30 pontos (9,73 e 6,57 nas duas melhores ondas), contra 11,90 do adversário (6,73 e 5,17). O brasileiro abriu a disputa com um aéreo muito alto, que rendeu nota 9,73. Ohhara respondeu com um 5,17 e colocou uma segunda nota menor no somatório, o que manteve o campeão mundial de 2019 na liderança da bateria.

Ítalo aumentou a vantagem com um 3,50 e deixou o japonês precisando de uma nota acima de 8 para virar a bateria. O brasileiro dificultou ainda mais a vida de Ohhara ao receber nota 5,00 após duas rasgadas, o que fez seu adversário precisar de um 9,57.

Na reta final, o japonês chegou a ficar na combinação com duas boas ondas de Ítalo e não reagiu mais. “O 10 está guardado, se Deus permitir, na final eu vou conseguir”, cravou Ítalo.

Finais antecipadas por tufão

Vale lembrar que a organização das Olimpíadas de Tóquio resolveu antecipar em um dia as finais do torneio de surfe por causa da aproximação de um tufão da costa japonesa, Com isso, todas as baterias, até a disputa pelo ouro, vão todas acontecer nesta terça-feira no Japão (noite de segunda e madrugada de terça no Brasil).

Veja também:

Ruas de Camboriú necessitam de reparos + 

Como Medina e Ítalo na semi, o Brasil já tem garantida no mínimo a medalha de bronze. Eles podem se enfrentar na final (o que garante o ouro e a prata), na disputa do terceiro lugar (o que garante o bronze), ou, se um deles cair na semi e o outro avançar para a final, o Brasil terá ao menos a prata garantida.

“Eu não quero bronze, quero ouro, estou aqui para ganhar”, disse Ítalo Ferreira após a prova. “Tem muita oportunidade lá dentro, entrei bastante confiante, e fui construindo onda a onda e isso me deixa confiante. Tem duas baterias pela frente e é continuar na pegada e ir pra cima”, acrescentou.

Medina também promete dar trabalho na sequência da competição. “É um sonho. Esse era meu objetivo quando vim para cá, estar na final, e, se Deus quiser, conquistar o ouro. Está chegando perto, é ficar concentrado porque toda bateria é difícil”, disse Medina.

Medina passa por Michel Bourez
Gabriel Medina somou 15,33 pontos em sua bateria de quartas, contra 13,66 do francês Michel Bourez. O dia começou com chuva e muito vento, mas ondas com mais de dois metros para os surfistas.

“A gente veio pra cá achando que ia ser marola e tem altas ondas, tá grande, e isso é bom porque dá pra arriscar. Estamos felizes de ter onda. Agora é continuar nessa vibe que vai dar tudo certo”, disse Medina.

Ítalo vence surfista local
Na bateria nas quartas, Ítalo somou 16,30 pontos (9,73 e 6,57 nas duas melhores ondas), contra 11,90 do adversário (6,73 e 5,17). O brasileiro abriu a disputa com um aéreo muito alto, que rendeu nota 9,73. Ohhara respondeu com um 5,17 e colocou uma segunda nota menor no somatório, o que manteve o campeão mundial de 2019 na liderança da bateria.

Ítalo aumentou a vantagem com um 3,50 e deixou o japonês precisando de uma nota acima de 8 para virar a bateria. O brasileiro dificultou ainda mais a vida de Ohhara ao receber nota 5,00 após duas rasgadas, o que fez seu adversário precisar de um 9,57.

Na reta final, o japonês chegou a ficar na combinação com duas boas ondas de Ítalo e não reagiu mais. “O 10 está guardado, se Deus permitir, na final eu vou conseguir”, cravou Ítalo.

Finais antecipadas por tufão

Vale lembrar que a organização das Olimpíadas de Tóquio resolveu antecipar em um dia as finais do torneio de surfe por causa da aproximação de um tufão da costa japonesa, Com isso, todas as baterias, até a disputa pelo ouro, vão todas acontecer nesta terça-feira no Japão (noite de segunda e madrugada de terça no Brasil).

UOL, em Ichinomiya (Japão)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *