Abelhas, os insetos que alimentam a humanidade

Post publQuem acredita que as abelhas alimentam a população apenas com mel precisa conhecer melhor esses insetos. Muito além dos produtos apícolas, as abelhas prestam para a humanidade e a biodiversidade um serviço fundamental à vida no planeta: a polinização.

Cerca de 73% das espécies agrícolas cultivadas no mundo são polinizadas por abelhas – e o valor mundial desse serviço é estimado entre US$235 e US$577 bilhões por ano. Em Santa Catarina, o impacto econômico da apicultura também se reflete no ganho de produtividade de culturas como maçã, pera e ameixa, graças ao trabalho de polinização das abelhas.

Cerca de 73% das espécies agrícolas cultivadas no mundo são polinizadas por abelhas (Foto: Nilson Teixeira)

Embora a primeira imagem que muitos têm da abelha seja da espécie africanizada, a Apis mellifera, o Brasil conta com mais de 1,5 mil espécies descritas. E são as abelhas nativas sem ferrão as principais polinizadoras das matas brasileiras, contribuindo com a reprodução de 30% a 80% das espécies de plantas, dependendo do tipo de bioma.

Em Santa Catarina, a meliponicultura, que é a criação racional dessas abelhas nativas, é uma atividade sustentável que vem se popularizando na agricultura familiar com forte apoio da Epagri. A Empresa desenvolve diversas ações para a preservação, o manejo e a multiplicação das espécies sem ferrão, em um trabalho que resulta, anualmente, na introdução de milhares de abelhas nativas no Bioma Mata Atlântica. Já são aproximadamente 6 mil famílias rurais catarinenses que têm na meliponicultura uma fonte de renda complementar.

A Epagri desenvolve ações para a preservação, o manejo e a multiplicação das abelhas nativas sem ferrão (Foto: Aires Mariga/Epagri)

A apicultura de Santa Catarina é outra força econômica. O Estado conta com 16.838 estabelecimentos agropecuários com essa atividade e se coloca normalmente entre o terceiro ou quarto maior produtor de mel do Brasil. Criar abelhas ainda se destina à produção de própolis, pólen, geleia real e apitoxina. Esses produtos servem de matéria-prima para as indústrias farmacêuticas, alimentícias e cosméticas e geram renda para milhares de famílias catarinenses.

O mel de Santa Catarina já foi classificado seis vezes entre os melhores do mundo. As tecnologias e o acompanhamento técnico promovidos pela Epagri são fundamentais nesse resultado e também ajudam a impulsionar a produtividade: o Estado produz 68 quilos de mel por quilômetro quadrado ao ano, número muito superior à média nacional, que é de 5kg/km²/ano.

Na safra 2019/20, Santa Catarina produziu 7,5 mil toneladas de mel, volume acima da média estadual, que é de 6,5 mil toneladas. Poucas chuvas e a safra do mel de melato da bracatinga, que é colhida a cada dois anos, contribuíram para elevar a produção.

As ações da Epagri em apicultura e meliponicultura em Santa Catarina têm como objetivo contribuir para o fortalecimento e o desenvolvimento sustentável da cadeia produtiva dessas atividades, além de consolidar essas alternativas de renda e de subsistência aos agricultores familiares. Preservar as abelhas é, portanto, preservar o meio ambiente, a produção de alimentos, a economia sustentável e a vida da humanidade.

Confira no vídeo algumas boas práticas de produção na apicultura:

*Rodrigo Durieux da Cunha, engenheiro-agrônomo e chefe da Divisão de Estudos Apícolas da Epagri

 Via Epagri

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *