Abandonada, Sede Recreativa dos Servidores Municipais de Camboriú é alvo de vandalismo

As imagem são atuais e mostram o estado de abandono da atual da Sede Recreativa dos Servidores Municipais de Camboriú, que foi formada há poucos meses, e já está totalmente destruída. 

Lixo de todo tipo, fezes e animais soltos são o atual retrato do espaço.

A presidente do Sisemcam, Sindicato dos Servidores Municipais de Camboriú, Luciana Sobota, esteve esta tarde no local, que fica no cedro.

“Uma das promessas de campanha do Prefeito Élcio Kuhnen foi nos repassar a sede pra que a pudéssemos administrar e assim, economizaríamos o aluguel pago pela entidade. Queremos reverter em benefícios como atendimento médico e odontológico. É revoltante o estado que o local se encontra”, desabafa Sobota

VIROU MORADA DE MENDIGOS

Restos de alimentos, roupas íntimas e cobertores jogados pelas salas ainda em fase de acabamento, deixam claro que o local serve de moradia, provavelmente no período da noite. Nos banheiros o forro de pvc foi arrancado e quebrado, assim como a porta de onde seria um bar.

DINHEIRO PELO RALO

O Prefeito municipal Drº Élcio Rogério Kunhen, que tem conhecimento da situação, faz vistas grossas, não tomando previdência, e causando um dano significativo ao erário público, está sendo destruído.

NOVA REFORMA

Virou vício! Parece que governo faz questão de reformar.

O governo reforma, faz um book para promoção política mostrando que a obra foi reformada, depois abandona, isso não cuida, e vândalos destroem e furtam o local e aí o governo tem motivo novamente para reformar.

HISTÓRIA

A sede dos servidores já foi um local muito frequentado, onde aconteciam as festas de confraternização do Prefeito Wilson Plautz, o Rolinha.

“Era bem cuidado e podíamos aproveitar com nossos familiares”, conta uma servidora que prefere não se identificar.

NOTIFICAÇÃO

“Vamos notificar a Prefeitura pedindo providências urgentes. Dinheiro público jogado fora e total desrespeito do servidor de Camboriú“, finaliza Luciana Sobota.

Jornalismo O Janelão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *