A caixa é sua, é minha, é nossa….será?

Quem de nós, (os mais antigos pelo menos) não lembra deste slogan da caixa econômica federal dos idos da década de 80, 90?

Colunista ‘O JANELÃO’  Drº Cléber Bombardelli

Pois é, mas aqui em Camboriú o velho ditado, parece mesmo ter ficado para os anais da história. Aqui em Camboriú, a velha caixa econômica federal parece estar sendo contaminada por outro slogan:

“cidade dormitório, serviço insatisfatório”.

Muito embora o povo de Camboriú esteja acostumado/calejado com a pouca eficiência das inúmeras áreas do serviço público (de todas as esferas), nossa caixa vem dando exemplo de superação negativa.

Caixa Econômica Federal de Camboriú

Atendimento ineficiente e demora exacerbada são apenas alguns dos problemas que encontramos na agência 3523, sim da “nossa caixa”.

Uma infeliz e preocupante realidade que embora recorrente, nos causa preocupação neste período de distanciamento social. As longas filas dos caixas eletrônicos estão se tornando um verdadeiro salão de festas para este novo e indesejado hóspede de nosso planeta terra (para não dar azar, nem vou chama-lo pelo nome).

Nos últimos dias percebemos um fúnebre aumento nas filas mesmo após o horário de expediente. Filas que demoram horas para andar e quando pensamos estar finalmente chegando ao final, eis que surgem mais pessoas como eu, como você e o calvário recomeça. Pessoas aglomeradas a espera de sua vez torcendo para não serem pegas por algo ainda desconhecido o qual todos tememos.

Já não bastam nossos mercados, não é? Mas este é um assunto para outra ocasião.

Este fato, repito, embora não seja uma novidade para o correntista da caixa, vem se agravando, e o motivo qual seria?

Parece mentira, mas não é apenas a lentidão extrema e cansativa de seus caixas eletrônicos. (cá entre nós, esta cansativa lentidão pode ser digna de comparação com um certo ex-piloto de fórmula 1 brasileiro, sei que vocês irão lembrar!!!) A bem da verdade, estes caixas eletrônicos da “nossa caixa” não são nada parecidos com o povo brasileiro. Embora, em algumas regiões brasileiros tenham fama pela lentidão e morosidade, aqui, nosso povo é rápido, corre e luta diuturnamente para sobreviver frente a tudo que vem acontecendo…Nem sempre podemos nos dar ao luxo de esperar!

Este triste e lamentável descaso também não vem a calhar com o velho slogan que dá nome ao texto. Nosso povo além de labutar na correria do dia a dia, também odeia equipamento eletrônico com defeito, não é mesmo? Nossa vida hoje depende e muito da tecnologia…ah, rápida por favor!
Pois é, assim como você, também não quero ficar exposto a fila ouvindo as pessoas tossirem. Bem, pelo menos não agora, neste momento.

Nossa saúde bancária e nossos compromissos financeiros muitas vezes depende de quem? Dois caixas eletrônicos sem manutenção deste que seria “…nosso banco”. É nestas horas de desespero, nas longas filas que se formam com pessoas usando máscara, temerosas em não serem contaminada por um vírus e nem por pensamentos negativos que teimam em permear a mente daqueles que estão a esperar a boa vontade dos únicos 4 terminais que ainda estão funcionando neste ensolarado dia de sábado. Isso, dos 9 terminais instalados, apenas 4 disponíveis! Descaso, falta de recursos para manutenção ou apenas incompetência associada a falta de sensibilidade com as pobres almas mortais que estão na fila sem saber quem chegará primeiro: o vírus, ou sua vez ao caixa eletrônico.
Caro gerente da “nossa caixa”, são estes corajosos e temerários brasileiros esperando em uma longa fila os seus clientes que movimentam a sua instituição e que deveriam no mínimo ter um outro tipo de receptividade. Tratamento digno é o que se espera de algo realmente nosso.

Estamos reféns, propensos a sermos contaminados (que seja pela inércia; quer seja pelo vírus) em nossa própria casa que de “nossa” aqui na agencia 3523 podemos afirmar, não tem nada.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *